GM BLOG

Dossiê Crítico Parte 1 - Chance de Acerto
Data: 25.08.2017


 

 

 

BOM DIA TURMA!!

Nada como terminar a semana juntando as melhores coisas dessa vida: café, Metin2 e matemática!

 

Ah vai, matemática é muito legal!

 

 

 

 

Como viram no título, esse blog será um dossiê do hot-topic do momento, o CRÍTICO.

Nessa primeira parte, faremos um estudo (bem superficial) da CHANCE de acerto crítico nos tapas.

 

 

 

 

Então, como faremos esse estudo?

Consegui dois voluntários para testarem os golpes básicos (vulgo, pancadaria incondicionalmente unilateral).

Conheçam os nossos dois atores: Urso e Coitado.

 

 

 

 

Para evitar modificações nas fórmulas de dano, o defensor não possui nenhum modificador percentual de defesa ou redução de dano e o atacante nenhum modificador percentual de ataque e dano.

 

A classe Ninja e sua Força Arqueira+0 foram escolhidas para serem os atacantes porque seus ataques básicos não têm o efeito de derrubar e não varia sua animação, o que facilita uma contagem de grande quantidade de ataques. A classe guerreiro foi escolhida porque eu não gosto dela (muwahahahaha).

 

As ferramentas:

As ferramentas usadas serão Arcos+0 sem adicionais de dano, mas modificados especialmente para esses testes, tendo seus valores de crítico alterados para 0, 100, 150, 200, 250 e 300, um Archer’s Quiver para evitar variações de dano em função da distância do ataque.

Para o nosso guerreiro, demos uma Placa Budista Novato+0 com um bônus ridiculamente grande de HP Máximo para ele apanhar bastante antes de desmaiar.

 

Vamos aos Status:

 

(faltaram alguns vídeos, desculpa)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Viram os vídeos? Se viram todos, vocês tem muito tempo livre hahahaha

Ok, brincadeiras a parte, eles são para vocês terem aquele feeling nos diferentes valores de crítico. Agora vamos à parte divertida, hora de usar meu grande e poderoso cérebro da MATEMÁTICA para desvendar as entranhas da chance de ataque crítico.

 

 

 

 

Fazendo a contagem do número de golpes e do número de golpes de cada sessão, chegamos a seguinte tabela:

 

 

 

 

“Mas tio Ursinho Pooh, o que significa a última coluna?”

Ora, ora, meu jovem, a última coluna representa quanto de crítico você precisa ter para ter um aumento de 1% na sua chance de acerto crítico.

Para facilitar a conta, calculei a média desses valore que consta na seguinte tabela:

 

 

 

 

O Desvio Padrão representa uma média de variação que pode aparecer no valor da média.

Muito bom, muito bom, com isso estimamos que é preciso aproximadamente 6,5 de crítico para aumentarmos a nossa chance de acerto crítico em 1% (com uma taxa de erro de 3,35% nos cálculos).

Sabendo disso, podemos estimar taxas de acerto críticos para diferentes valores de críticos, como mostra a Tabela 2:

 

 

 

 

 

 

Como podemos ver, se tivermos um valor de crítico de 650, teremos aproximadamente 100% de chance de acerto crítico, os demais valores acima disso estão na tabela para completude do gráfico.

Então, se usarmos a relação de 6,5 critico = 1% chance de acerto crítico, usando os dados nos testes, teremos a seguinte tabela de estimativas:

 

 

 

 

Vemos que ao comparar a Tabela 1 com a Tabela 2 temos valores bem próximos, tanto de %Criticos como #Criticos, o que é bom, estamos chegando em bons resultados, como podem ver:

 

 

 

 

 

 

Como a nossa amostra é pequena, não parece muito confiável, mas quanto maior for a amostra, mais parecido com o gráfico estimado ficará, portanto temos uma fórmula confiável:

 

1% de Crítico = 6,5 de Crítico

 

Mas espera, eu tava pensando aqui com os meus botões:

Vemos que o gráfico representa uma função crescente (ou seja, ele sempre cresce) e ele tende a uma linha reta, ou seja, deve se comportar como uma função de primeiro grau, então, ela deve ser ter uma equação semelhante à:

 

 

 

 

Onde Vn representa um valor fixo que ao multiplicar nossa quantidade de crítico e somar a outra constante K, teremos a nossa chance de acerto crítico.

 

 

 

 

“Mas pera, prófi, de onde você tirou esse K?”

Percebam, na Tabela 1, que mesmo com 0 de crítico, tivemos alguns acertos críticos, então todo personagem já deve ter uma chance nativa de acerto crítico. Porém, como visto na mesma tabela, esse valor é muito baixo, então para facilitar as contas, iremos ignorá-lo, assim a nossa fórmula se torna:

 

 

 

 

O que nos leva a Tabela 5 (aff Maple, mais uma?)

 

 

 

 

Agora, utilizando o valor médio de Vn, temos:

 

 

 

 

Que se parece muito com o gráfico da Tabela 3 não? Vamos comparar os gráficos da amostra com o estimado que temos agora:

 

 

 

 

“Meldeus teacher, parece o outro gráfico!”

Sim! Isso já era esperado e é muito bom, por sinal, quer ver o quão próximos eles são? Dá uma olhada no que o tio preparou pra vocês:

 

 

 

 

 

 

Agora, comparando os gráficos da média dos valores críticos com os valores colhidos na amostra, temos:

 

 

 

 

O que, mais uma vez, nos mostra que o valor da amostra tende a reta estimada!

ACABOOOOOOOOU!!! O JUÍZ APITOU! TOCOU O SINAL DO INTERVALO!

Sim, isso conclúi a primeira parte do nosso dossiê sobre os golpes críticos!

Pra quem chegou atrasado, só quis assinar a lista, ou não teve tempo pra ler tudo isso, aqui vai um tl;dr

TL;DR

 

 

 

 

Bem turma, é isso, espero que tenha sido informativo (longo eu sei que foi) e que ajude vocês um pouco! Classe dispensada.

[GM] Maplebear,